A Escola Secundária Adolfo Portela foi galardoada, pelo nono ano consecutivo, com a bandeira verde do Concurso Eco-Escolas 2017, pelas suas boas práticas ambientais, no 27 de setembro, numa cerimónia a nível nacional que decorreu em Mafra. A ESAP continuou a associar-se a esta iniciativa dinamizando um conjunto de atividades que envolveram a comunidade escolar, com destaque para aqueles que mais de perto participam nas atividades promovidas pelo projeto Eco-Escolas.

Assim, procedeu-se ao hastear da Bandeira Verde, no dia 07 de novembro, com a presença do diretor, de alunos e professores da ESAP, bem como do vice-presidente da CMA e da vereadora da Educação. O Eco-Escolas é um programa internacional que pretende encorajar ações e reconhecer o trabalho de qualidade desenvolvido pela escola, no âmbito da Educação Ambiental. Fornece fundamentalmente metodologia, formação, materiais pedagógicos, apoio e enquadramento ao trabalho desenvolvido pela escola.

O biólogo Jorge Paiva, do Centro de Ecologia Funcional do Departamento de Ciências da Vida da Universidade de Coimbra, esteve, mais uma vez, na 2ª feira, 6 de novembro, na Escola Adolfo Portela para apresentar duas conferências, envolvendo todos os alunos do 9º ano.

Nestas duas palestras, subordinadas ao tema «Os riscos de uma alimentação industrializada» e «A importância da biodiversidade», Jorge Paiva chamou a atenção dos nossos alunos para os perigos que se escondem na nossa alimentação quotidiana e apelou ao compromisso de “preservar ao máximo a Biodiversidade, pois sem os outros seres vivos perderemos a oportunidade da sobrevivência da nossa espécie”, afirmou.

A Escola Adolfo Portela continua a apostar no projeto “Secundário Superior” enquanto meio de proporcionar aos alunos complementos de formação ao currículo nacional. Assim, depois de ter iniciado um Curso Avançado na área da Microbiologia, em parceria com o Instituto de Educação e Cidadania da Mamarrosa, e de ter promovido algumas conferências proferidas por docentes das Universidades de Aveiro e Coimbra, trouxe à Escola um investigador e professor universitário aguedense.

Miguel Ângelo Pardal, professor e investigador na Universidade de Coimbra, veio, em duas tardes, dar uma aula em que os alunos de 12º ano de Biologia puderam desenvolver um trabalho experimental. Assim, no âmbito do Projeto «FishFree» realizou-se uma atividade de divulgação científica intitulada «Uma arte exclusivamente Portuguesa: A Arte Xávega». Esta atividade teve uma primeira parte expositiva, com uma apresentação PowerPoint, a que se seguiu uma parte prática em que os alunos aprenderam a identificar as várias espécies de peixe, assim como a dissecar peixe, identificando os órgãos internos.

Cumpriu-se, nos dias 31 de outubro e 2 de novembro, a atividade da nossa biblioteca intitulada “Peditórios para a AMI e Liga Portuguesa Contra o Cancro”. A recolha, realizada na nossa Escola, foi concretizada por alunos da UEEAEA, coadjuvados pela professora bibliotecária e pelas respetivas professoras curriculares.

Foram momentos de envolvimento responsável e edificante, embora descontraído, que promoveram o reforço dos laços afetivos e de inclusão social. A nota para estes voluntários extraordinários é Excelente. Bem hajam todos.

No âmbito da realização da atividade da biblioteca designada “Workshop de fotografia” perspetivada para os alunos do Curso Profissional Técnico de Multimédia (11º H1 e 12º G) a nossa Escola recebeu, no dia 27 de outubro, o fotógrafo Horácio Graça, autodidata em fotografia de paisagem (em que o ambiente natural da Pateira de Fermentelos é exaltado, ao máximo, com toda a legitimidade), com um currículo invejável, com obras individuais e de parceria publicadas, exposições individuais e coletivas realizadas.

Os conhecimentos técnicos demonstrados bem como a qualidade do seu trabalho, a dedicação e o carinho com que abraça aquilo que fotografa, captaram a atenção e o entusiasmo dos alunos, por excelência os do 12º ano, que tudo perguntaram e tudo quiseram saber demonstrando, assim, que o encontro ajudou a consolidar conhecimentos e competências na área da produção técnico/fotográfica e abriu, com toda a certeza, novas perspetivas para os que vierem a dedicar-se à fotografia.

Go to top