Na voz e expressão fantásticas dos alunos dos 7ºB e E da ESAP e do 5ºA do Agrupamento de Escolas de Águeda, nos dias 21 de maio e 11 de junho, a Leitura foi e veio, qual Rainha dos mares, num cenário e envolvimento maravilhosos, a desafiar um futuro risonho que haveremos de ser capazes de assegurar à mistura, já, com um cheirinho de festas populares deste mês de junho, onde não faltaram os martelinhos, contextualizando o ambiente das fogueiras, pleno de amor e de alegria, criado por Toy (pseudónimo do autor aguedense) (1), que aqui deixamos registado.

A atividade integra os Planos de atividade das duas bibliotecas.

(1) António Homem de Melo de Macedo (Toy) - Águeda, 13 de Março de 1868 - Lisboa, 23 de Março de 1947) foi um advogado, poeta, escritor e empresário jornalista português. Foi pai do famoso poeta Pedro Homem de Melo.

“Nas fogueiras”
Fogueiras de S. João,
Ardem por ano uma vez;
As dos teus olhos, menina,
Trinta dias cada mês.

Orvalhadas, orvalhadas,
Caem lágrimas do ar.
S. João, preso na céu,
Pôs-se de lá a chorar.


Orvalhadas, orvalhadas,
Sois uma regra a preceito:
Tinha o coração sequinho,
Nasceu-lhe um amor perfeito.

Não tem coração nem alma,
Quem hoje aqui descansar;
O sol, e mais é o sol,
Também nasce hoje a dançar.

Hei de pedir ao S. Pedro,
Santinho guarda portão,
As chaves do Paraíso
P’ra abrir o teu coração.

Só nas noites de S. Pedro
A vida não é engano.
Mais uma vez – vá de roda!
E adeusinho até ao ano.

O S. Pedro, pelo céu,
Anda de pernas p’ró ar …
Sua careca branquinha
É a lua a alumiar.

O cravo que tu me deste
Na noite de S. João,
Deita cheiro todo o ano
Dentro do meu coração.

S. João, S. Joãozinho,
Não quero outro confessor:
Passa culpas, passa culpas,
Se os pecados são de amor.

Ai amor, és cão danado,
Mordeste-me o coração.
Curai-me S. Joãozinho,
Com pêlo do mesmo cão …

Se queres meu manjerico,
Meu lindo manjericão,
Um vazinho que não quebra,
Toma lá meu coração.

 

 

Go to top